Animal Print


Alguns rapazes vibram com carros, dinossauros ou super-heróis — o Rodrigo é doido por animais. Música preferida? Old MacDonald Had a Farm. Brinquedos e livros preferidos? Animais e quintas. Desenhos animados preferidos? 101 Dálmatas e o Livro da Selva. 

Confesso que nunca fui grande fã de tecidos com bonecadas mas, quando comecei a ver as reacções do Rodrigo sempre que vê um tecido com animais, mudei de ideias. E, como ando numa de fazer almofadas cá para casa (uma desculpa óptima para experimentar várias técnicas de inserção de fechos éclair… depois partilharei as minhas conclusões), lembrei-me de fazer uma almofada nova para o quarto dele. Como seria de esperar, ele ficou todo contente com os animais!

PS. Para fazer a almofada usei um retalho de um tecido de decoração que encontrei há uns anos no Vidal, em Lisboa.

Some little boys love cars, dinosaurs or superheroes — Rodrigo is crazy about animals. Favourite song? Old MacDonald Had a Farm. Favourite books and toys? Everything that relates to animals and farms. Favourite cartoons? 101 Dalmatians and The Jungle Book.

I must say I’ve never been a huge fan of novelty prints but I’m starting to change my mind, mainly because of Rodrigo’s happiness whenever he sees a fabric with animals. Lately I’ve been making cushion covers for our home (a great way to experiment with different kind of techniques for inserting zips… more on that soon) and Rodrigo’s room was no exception. You should have seen his reaction when he saw his new cushion!

PS. The fabric I used to make the cushion was a home décor remnant I found some years ago in Vidal, a fabric shop in Lisbon.

(photos© Constança Cabral)

Livros Infantis Antigos :: Vintage Children’s Books

Ao longo do mês de Outubro fui mostrando no Instagram uma parte da minha colecção de livros infantis antigos. Não lhes consigo resistir: compro-os em lojas de caridade, feiras de velharias e alfarrabistas por menos de nada e delicio-me com os desenhos. O Rodrigo gosta mais de uns do que de outros, o que é normal, mas normalmente acha-lhes muita graça. 
Durante o mês de Novembro vou mostrar no Instagram as flores do meu jardim, uma flor diferente por dia. Encontramos-nos por ?
All through October I shared on Instagram some of my vintage children’s books. I can’t resist them: I buy them at charity shops, fairs and booksellers for a song because I enjoy the illustrations so much. Rodrigo likes them too, some more than others, and it’s fun reading them together.

During the month of November my theme will be what’s blooming in my garden. I’m going to post one flower a day — let’s meet over there!
(photos© Constança Cabral)

Por Aqui :: Around Here

 

Por aqui estamos todos bem, a crescer e a aproveitar os dias desta Primavera instável (um dia 20ºC, no dia a seguir 9ºC). Finalmente recebi o meu livro e não consigo descrever aquilo que senti quando peguei nele e o abri… felicidade, orgulho e algum alívio. Espero que gostem do resultado!
Gostava imenso que fossem partilhando imagens do livro e daquilo que fizerem com base nele. Publiquem as vossas fotografias na minha página no Facebook, no Pinterest e no Instagram, e usem o hashtag #livromaosaobra. Quem me dera poder estar em Portugal neste momento!
Para a semana vou começar a mostrar os bastidores do livro — acho que tem sempre graça ver aquilo que está por trás, as histórias atrás dos projectos, os locais e até os acidentes.
Um bom fim-de-semana para vocês, seja ele de Outono ou de Primavera!
Around here we’re all fit and well, and we’re trying to make the most of this crazy Spring (one day it’ll be 20ºC and the very next day only 9ºC). I finally received a copy of my book and I can’t describe what I felt when I opened the package and actually touched the book with my hands… joy, pride and a  bit of relief. I hope you’ll like it!
 
Next week I’m going to start sharing some peaks of what went on behind the scenes — I think it’s fun to get to know the stories, places and even a few accidents that occurred along the way.
 
Enjoy your spring/autumn weekend!

(photos© Constança Cabral)

Manhãs Por Aqui :: Mornings Around Here

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em todas as casas com crianças pequenas as manhãs são complicadas de gerir, e nós não somos excepção. Bem, complicadas talvez seja uma palavra demasiado forte… para usar uma expressão francesa, digamos que não são evidentes. Sair da cama, vestir, comer, brincar, gerir birras e choros em uníssono, enfrentar intempéries, enfim. Naquelas alturas em que me sinto algo esmagada, lembro-me de que poderia ser muito pior (um dos meus lemas de vida, que me ajuda a relativizar quase tudo).
Mas, no meio da correria, há sempre momentos bons. Outro lema da minha vida: tentar dar maior importância aos aspectos positivos do que aos negativos. Graças ao telemóvel, tenho conseguido registar muitos desses momentos felizes e tranquilos. Sinto-me tão, mas tão abençoada por ter estes dois rapazinhos na minha vida.
In every household with small children mornings are a juggle and we are no exception to that. Getting out of bed, getting dressed, eating, playing, managing tantrums and unison crying, facing adverse weather conditions… oh well. When I’m feeling a bit overwhelmed I keep in mind that it could be so much worse (one of my life mottos).
 
However, amongst all the hustle and bustle there are always good moments. Another life motto of mine: trying to focus on the positive rather than getting carried away by the negative. Thanks to my phone I’ve been able to record many of those happy, tranquil moments. I feel so incredibly blessed to have these two little boys in my life.
(photos© Constança Cabral)

Por Aqui :: Around Here

 

 

 

 

 

 

Chuva e sol, frio e calor — típico tempo de início de Primavera. Um bebé a crescer e um rapazinho que adora cozinhar. Algumas noites mal dormidas. O jardim a acordar. Projectos de costura que avançam muito lentamente. Muitos livros, muitos puzzles e alguns desenhos animados. Bolos e scones. O Rodrigo (novamente) doente em casa e eu sem saber muito bem como gerir o dia-a-dia. Estamos todos a precisar de apanhar ar! 

 
PS. Tenho andado a ouvir o podcast The Longest Shortest Time e estou a gostar imenso — é sobre os primeiros tempos de maternidade (e paternidade) e acho-o inteligente e bem produzido. Recomendo-o vivamente a toda a gente com bebés pequenos em casa!
 
 
Rain and sunshine, cold and warm — typical early spring weather. A baby that keeps on growing and a little boy who loves kitchen work. A few broken nights. A garden that’s showing signs of life. Sewing projects that progress very slowly. Lots of books, lots of puzzles and some cartoons. Cakes and scones. Rodrigo was sick (again) and I struggled a bit. We’re all in need of some fresh air!
PS. I’ve been listening to The Longest Shortest Time podcast and I’m really enjoying it — it’s about the early days of parenthood and I find it intelligent and well-produced. If you’re a new parent, I highly recommend it!


(photos© Constança Cabral)

Auto-retratos :: Self-Portraits

 

 

 

 

 

 

 

 

Não sou grande fotógrafa, mas acho que tenho um olho razoável e um dia gostava imenso de me dedicar a sério a aprender fotografia. Até lá vou-me divertindo com a máquina do Tiago e com o telemóvel. Comprei um iPhone assim que chegámos à NZ e fico contente por poder registado momentos que, de outra forma, ficariam esquecidos para sempre.
(Por vezes dou por mim a pensar como gostaria de ter podido fazer o mesmo durante os 3 anos em Inglaterra, e até mesmo em fases anteriores: o Inter-Rail pelo sul da Europa, o Erasmus em Paris, a faculdade, as viagens com as amigas, o namoro com o Tiago, a vida de recém-casada…)
Mas voltando às fotografias tiradas com o telemóvel — há uma aplicação que me diverte especialmente: o TimerCam. Conhecem-no? Não é mais do que um temporizador, mas permite 1- tirar auto-retratos em ângulos diferentes (sem ter de estender o braço); 2- apanhar momentos inesperados (especialmente com crianças, porque nunca sabemos o que vão fazer no segundo seguinte!).
Tenho um iPhone 4 e a câmara não é nada de especial, mas vai cumprindo as suas funções. Gosto imenso destas fotografias agora e sei que, um dia mais tarde, vou adorar rever estes vislumbres da nossa vida quotidiana.
I’m not a skilled photographer but I reckon I’ve got a reasonable eye and one day I’d love to dive deep into the world of photography. Until then I’ll keep playing with Tiago’s camera and my phone. I bought an iPhone as soon as we moved to NZ and I’m glad I’ve been able to register moments that would have otherwise been forgotten.
 
(Sometimes I find myself wishing that I could have done the same during those 3 years in England and even in other phases of my life: the Inter-Rail across southern Europe, the Erasmus in Paris, the university days, the trips I took with my friends, the first years with Tiago, life as a newly-wed…)
 
Anyway, back to iPhone photos — I’ve been having lots of fun with a particular app: TimerCam. Do you use it too? It’s just a timer, but it enables you to 1- take self-portraits in all sorts of angles (thus making the whole “reach-out-your-arm selfie” totally unnecessary) and 2- catch unexpected moments (this is especially true when you’re photographing children, as you never know what they’ll do next!).
 
I’ve got an iPhone 4 and even though the camera isn’t brilliant, it performs its function. I love these pictures now and I’m sure that, in a few years time, I’ll treasure these snippets of our daily life.
(photos© Constança Cabral)

Por Aqui :: Around Here

 

Plantámos três árvores de fruto. Cozinhámos e fizemos bolos. Continuei o meu quilt (426 triângulos!). O Pedro dormiu e mamou e engordou. Aproveitámos os últimos dias com a avó. E a Primavera está à porta!
 
We planted three fruit trees. We cooked and baked. I worked on my quilt (426 triangles!). Pedro slept and fed and put on weight. We made the most of the last days with granny. And spring is just around the corner!


(photos© Constança Cabral)

Por Aqui :: Around Here

 

 

 

 

Muito obrigada por todos os comentários, mensagens e emails sobre o nascimento do Pedro. Hesitei bastante antes de partilhar aqui a história completa (embora não esteja assim tão completa… com o passar dos dias fui-me lembrando de mais pormenores) — ponderei publicar no blog uma versão aligeirada e condensada dos acontecimentos, mas depois achei que não faria sentido… e agora estou contente por não o ter feito. Num blog como este, a fronteira entre o pessoal e o privado nem sempre é fácil de estabelecer e, na maior parte das vezes, refreio as minhas partilhas. Mas este caso é especial.

 

Dentro daquela aflição tivemos uma sorte enorme, já viram? Decidi logo não me zangar com a parteira (ela faz parte de um sistema que funciona assim), assim como não pensar naquilo que poderia ter corrido mal. Correu tudo bem e sinto-me incrivelmente agradecida e abençoada.
 
Por aqui estamos em pleno modo pós-parto/recém-nascido, com todos os incómodos, dúvidas, surpresas e alegrias que isso implica. Dar de mamar com sucesso e gerir as birras do Rodrigo são, sem sombra de dúvida, os maiores desafios, mas os momentos de puro deleite não faltam: ver os abraços que o Rodrigo dá ao Pedro, descobrir covinhas numas bochechas já tão cheias, quando nos dá um intervalo bom à noite. Mais uma vez digo que temos uma sorte imensa.
 
A minha prioridade é alimentar o Pedro, dar atenção ao Rodrigo e dormir, mas vou tentando fazer outras coisas aqui e ali, nem que seja só durante 5 minutos. Comer uma taça de iogurte no jardim. Apanhar flores. Coser uns triângulos para o meu novo quilt de Primavera (que comecei na véspera do nascimento do Pedro).
 
Cá estamos, e está tudo bem.
 
 
Thank you so much for all the comments, messages and emails regarding Pedro’s birth [I still haven’t translated the whole story into English but I’m hoping to do it over the next week]. I second-guessed my decision to share the story here but now I’m glad I’ve done it. On a blog such as this one it’s sometimes hard to define where the personal ends and the private begins, and more often than not I limit my sharing quite a lot. But Pedro’s birth was special.
 
Amidst the tribulation we were incredibly lucky. I’ve no hard feelings and I’ve decided not to think about what could have gone wrong. Everything went well and I feel so blessed and thankful.
 
Aound here we are buried deep into post-partum/newborn mode, with all it entitles: discomfort, doubts, surprises and joy. Breastfeeding successfully and managing Rodrigo’s temper are the main challenges right now, but we’re also experiencing moments of pure delight: watching Rodrigo cuddling Pedro, finding dimples in his round cheeks, when he sleeps for a good few hours at night. I’ll say this again and again-. we are so lucky.
 
My priorities now are feeding Pedro, spending time with Rodrigo and sleeping but I’m trying to carve out 5 minutes here and there to do other things. Like eating a bowl of yoghurt in the garden. Picking flowers. Piecing some triangles for my spring quilt (the one I started on the eve of Pedro’s birth).
 
We are here, and all is well.
 

(photos© Constança Cabral)

Porridge e Puré de Maçã na Bimby :: Thermomix Porridge and Apple Sauce

Há uns anos tive a sorte de receber a Bimby como presente e não há dúvida de que dá muito jeito no dia-a-dia, especialmente para pessoas que, tal como eu, detestam ficar horas em frente ao fogão (por isso é que gosto tanto de fazer bolos). Vou poupar-vos a uma prelecção sobre todas as vantagens da máquina mas não queria deixar de falar-vos em duas coisas que faço para o Rodrigo praticamente todas as semanas: porridge (papas de aveia) e puré de maçã. São tão simples que hesitei várias vezes em partilhá-las no blog, mas como talvez as achem úteis, aqui vão elas.
A few years ago I was lucky enough to receive a Thermomix as a birthday present. This appliance is incredibly popular in Portugal and can be a great help in the kitchen, especially for people who, like me, don’t particularly enjoy spending hours in front of the stove (that’s why I love baking so much). I’m going to spare you from a detailed lecture about all its wonders — instead I’ll tell you about two things I cook in it for Rodrigo nearly every week: porridge and apple sauce. Because they are so simple I’ve hesitated to share them on the blog… but you might find them useful, so here goes.

Comecemos pelo porridge. Ao contrário do que acontece em Portugal, tanto em Inglaterra como na NZ não há grande variedade de papas infantis. Em Inglaterra ainda havia uma ou duas hipóteses decentes (e felizmente com muito menos açúcar do que Nestum ou Cerelac), mas na NZ só há uma e é bastante duvidosa. Como felizmente o Rodrigo não é alérgico ao glúten, desde os 6 meses que lhe dou porridge e hoje em dia é isso que ele come todos os dias ao pequeno-almoço.
Faço uma dose bastante generosa que costuma durar 5 ou 6 dias no frigorífico — de manhã encho uma taça com papa e aqueço-a um minuto no microondas (o suficiente para deixar de estar gelada). Depois adiciono sempre um bocado de mel ou puré de fruta (o porridge sozinho é algo sensaborão).
Eis a minha receita (adaptada do livro britânico da Bimby):
Porridge
100 g de flocos de aveia 
1300 g de leite gordo 
15 minutos / 90ºC / velocidade 4 
A receita original usa 600 g de leite mas a papa fica grossíssima, por isso fui experimentando com diferentes quantidades e cheguei à conclusão que 1300 g são ideais para mim. No momento em que sai da Bimby parece muito líquida, mas quando arrefece engrossa bastante.
Let’s start with porridge then (a warning for all of you natives from the British Isles: do not read this). Little children in Portugal tend to eat a sort of mashed, sugary cereal for breakfast until they’re old enough to make do with bread and butter and a glass of cold milk. This means that in Portugal there’s a huge variety of baby cereal on the market (some people continue to have it for breakfast well into adulthood); however, this isn’t the case in the UK and in NZ. In the UK I could still find one or two decent options (thankfully they were much healthier than the Portuguese versions) but in NZ there’s only one and quite frankly, it smells funny. Given the fact that Rodrigo isn’t gluten intolerant, he’s been eating porridge since he was 6 months old — in fact, this is what he eats for breakfast every single day.

I make a big batch at the beginning of the week and it usually lasts for 5 or 6 days in the fridge — every morning I fill up a bowl and reheat it for one minute in the microwave (just enough to warm it up a bit). I then throw in some honey or a spoonful of fruit purée.

Here’s my recipe (adapted from the UK edition of the Thermomix recipe book):

Porridge
100 g of old-fashioned rolled oats
1300 g of full-fat milk
15 minutes / 90ºC / speed 4 

The original recipe called for 600 g of milk but the porridge turned out much too thick for my taste so I kept experimenting and eventually came up with 1300 g. When you tip it out of the Thermomix it looks horribly thin but as it cools down it thickens quite a lot.

Passemos agora ao puré de maçã, uma sobremesa que adoro desde pequena… para mim, ocupa aquele espaço entre fruta fresca e doce de colher. Eis a minha receita:
Puré de maçã
encher a Bimby com maçãs descascadas e cortadas aos bocados (às vezes acrescento uma ou duas pêras)
30 minutos / 100ºC / velocidade 1
2 minutos / velocidade 9
Não leva água nem açúcar e fica com uma consistência excelente!
Now onto apple sauce, the sort of dessert I’ve loved ever since I was a little girl… for me it fills that gap between fresh fruit and a proper pudding. Here’s my recipe:

Apple Sauce
fill the Thermomix with peeled apples cut into chunks (I sometimes add one or two pears)
30 minutes / 100ºC / speed 1
2 minutes / speed 2

No need to add any water or sugar!

(photos© Constança Cabral)

Crescer :: Growing Up

 

 

 

Dizem que a vida volta ao normal quando o filho mais novo faz 3 anos. Será verdade? A minha vida tem-se modificado tanto ao longo dos últimos tempos que já nem sei bem o que será “normal”, mas o que é facto é que, à medida que o Rodrigo cresce, o dia-a-dia vai-se tornando mais fácil. Ele está cada vez mais independente, paciente e conversador, e quer participar em todo o tipo de tarefas cá em casa.
Tal como a maior parte das crianças, tem um verdadeiro fascínio pela máquina de costura! Gosta do barulho, de acender e apagar a luz, de guiar (puxar) o tecido e de mexer nos alfinetes. Já me ajudou a encher um boneco e adora brincar com retalhos de tecidos (desde que tenham animais), passá-los a ferro (frio) e arrumá-los dentro do armário. Acima de tudo, gosta de imitar tudo aquilo que eu faço.
Daqui a um mês recomeça tudo outra vez!…

They say that life returns to normal once your youngest child turns 3. I wonder if that’s true? My life has changed so much over the last years that I no longer no what “normal” really means, but I can’t deny the fact that as Rodrigo grows up our daily life becomes a little easier. He’s getting more independent, patient and talkative and wants to be a part of everything we do around the house.

Like most children, he finds the sewing machine utterly fascinating. He likes the sound it makes and he enjoys the light on and off, guiding (pulling) the fabric and playing with pins. He’s already helped me stuff a toy and he loves fabric scraps (especially novelty ones): he presses them with a cool iron and carefully puts them away in the fabric cupboard. Above all, he mimics everything I do.

In a month’s time we’ll start all over again!…

(photos© Constança Cabral)